José Alho afirma que “Não acredito na Justiça, acredito em Deus”

Fernando Contumélias e Mário Contumélias escreveram o livro “Justiça à Portuguesa”. Esta obra, que já foi lançada, é constituída pela opinião de 22 personalidades portuguesas ligadas à Justiça. Entre nomes como António Marinho Pinto, Gonçalo Amaral, Moita Flores, Inês Serra Lopes, e Viola da Silva (actual comandante da PSP Beja) está também o nome de José Alho, o presidente da Associação Sócio-Profissional Independente da Guarda. O título é “Não acredito na Justiça, acredito em Deus” e José Alho fala da Justiça em Portugal, apontando os principais erros.
José alho confessa-se “desiludido” com a justiça portuguesa, afirmando que “há uma Justiça para os ricos e há uma Justiça para os pobres”.

Categoria: Politica, Reportagem
Acerca do Autor
- Alenproduções - Comunicação e Imagem, unipessoal, LDA. Somos uma empresa especializada na execução e conceção de projetos integrados de comunicação. Produzimos conteúdo vídeo em várias vertentes como é apresentado nesta página. Se precisar dos nossos serviços, contacte-nos através dos contactos nesta página para agendar uma reunião.